Umas das lembranças marcantes que tenho da infância era quando minha avó fazia Sülze, prato típico alemão, trata-se de uma massa gelatinosa feita com gordura de porco, carne de vaca ou porco, condimentos e legumes em conserva. Como eu ia contar na escola que eu comia gelatina de porco? Bizarro demais….

O Sülse (e suas milhares de variações) é um prato medieval barato dos camponeses da Europa Central onde partes gelatinosas (cabeça, couro e outras que é melhor nem dizer aqui) de porco ou ovelha eram cozidas misturadas com outras sobras de carne e legumes. Não se esqueçam de quando um animal era abatido nada era desperdiçado por razões óbvias (alimento farto para toda família) e pelos princípios cristãos de que é um pecado desperdiçar qualquer uma de suas partes, um animal é uma dádiva da natureza, um presente divino. Valores muito diferentes daqueles da nossa cruel e dantesca indústria da carne dos dias de hoje.

Esse processo de conservação e aproveitamento de sobras de carne resulta em produtos conhecidos no mundo todo, muitas vezes com nomes relacionados com “cabeça de porco” como “Head Cheese” em inglês ou “Quezo de cabeça” em espanhol. Em alemão é chamado, entre outros nomes, de Presswurst, Schwartenmagen além do já citado Sülze.

No Brasil entra na categoria dos produtos embutidos que chamados de “frios” e algumas marcas comerciais (não vou fazer propaganda de graça) chamam de rosbife ou pigbeef.

Rosbife alemão (Presswurst, Schwartenmagen, Sülze)
Rosbife alemão (Presswurst, Schwartenmagen, Sülze)

Esse que eu mostro aqui, chamei de Rosbife Alemão, é inspirada livremente nesta história do Sülze e nas experiências que aprendi com meu pai. Feito com couro de porco (o componente gelatinoso) , carne de vaca (o ingrediente principal) , um pouco de gordura de porco (realça o sabor) e condimentos (cebola, sal, pimenta preta, zimbro, mostarda e cravo ) e vinho branco (confere acidez e tem poder antioxidante).

Com pão preto, mostarda e cerveja fica perfeito 🙂